Bela, recatada e do lar? Jamais! Cashu é um dos grandes nomes da cena eletrônica e ama as ruas de São Paulo

A paixão que a Cashu tem pela formas, contornos e espaços urbanos está presente em tudo que ela faz. Sua formação acadêmica em arquitetura foi só o embrião do que viria a fazer no futuro: ela é uma das responsáveis ativas pelos projetos de festas que ocupam os espaço públicos. Foi muito além da militância de sofá e encarou o desafio metendo a mão na massa, sem medo de enfrentar mil perrengues e botar suas festas, literalmente, na rua.

Sua jornada para transformar o asfalto em pista de dança começou pelo interesse que Carol (seu nome verdadeiro) tinha pelas ocupações e intervenções nas cidades, que naquela época começavam a aparecer na pauta dos habitantes das metrópoles. Depois de ter produzido intervenções urbanas junto com colegas da faculdade, ela tomou gosto pela coisa e logo começou a trabalhar junto com a galera da Voodoohop, festa paulistana pioneira em levar o público para dançar na rua e em locais inusitados.

Ir da produção para a cabine do DJ foi uma consequência natural. Já com muita bagagem de bastidores, Cashu colou junto de outro coletivo que agitava os espaços ociosos de São Paulo, a Carlos Capslock. A festa costumava a lotar o Buraco da Minhoca, um trecho do túnel que passa por baixo da Praça Roosevelt, fechado para carros à noite e que fervia quando Paulo Tessuto (dono da festa – veja mais aqui) assumia as pick-ups. Foi uma baita escola para ela, onde pode não só melhorar suas habilidades como DJ, mas também preparar o terreno para um salto maior, ter sua própria festa.

E foi assim que nasceu a Mamba Negra, parceria entre a Cashu e Laura Diaz, uma das maiores e melhores festas de São Paulo. A mistura de minimal techno, house e grooves brazucas – tudo finamente mixado – e com a intenção de abraçar toda e qualquer minoria e ocupar a rua, a Mamba Negra logo chamou atenção e se firmou como “a festa que você precisa ir”. Cashu sabe como poucos aliar a trilha sonora com o entorno da festa, criando climas e camadas que casam perfeitamente com a vibe do lugar escolhido para fincar a bandeira underground da Mamba.

E ela não para por aí: Mantém, junto com o L_cio, a RáDIO ViRUSSS, canal dedicado a transmissão de live acts e sets de DJs convidados, sempre escolhidos a dedo. Além da Mamba, Cashu ainda toca em festas com o mesmo caráter de ocupação da rua, tais como Vampire Haus e a Blum. No meio disso tudo, ela ainda arranjou tempo para fazer um set exclusivo para o Freak Market, numa vibe mais caseira. Mas – sem qualquer dúvida – é na rua que Cashu está à vontade.

“Preparei ele um pouco mais lento para ouvir de casa, começa com algumas faixas que amo mas que nunca toquei em pista, depois fui subindo e inserindo coisas que estou adorando ouvir e tocar ultimamente. Espero que curtam!”